Diário de Escrita #13 – Quinze dias

OLHA QUEM RESOLVEU APARECER POR AQUI?

A essa altura todo mundo já sabe o título, a sinopse, a capa e até o primeiro capítulo do meu livro. Fiz vários vídeos de divulgação lá no canal e estou muito feliz com o retorno que recebi de vocês. A sensação é maravilhosa.

giphy

Mas como eu queria muito encerrar esse ciclo de diário de escrita, resolvi falar mais um pouquinho sobre Quinze dias aqui no blog. Afinal, esse é o último diário DESSE LIVRO e estou numa fase da vida onde é importante fechar algumas etapas e começar outras.

Leia mais

Diário de Escrita #12 – Falta tão pouco que eu não consigo parar de pensar no livro por um segundo sequer (literalmente)

O POST DE HOJE PODERIA SER TODO ESCRITO EM CAPS LOCK PORQUE EU ESTOU BASTANTE EMPOLGADO, MAS VOU POUPAR VOCÊS DISSO E TENTAR ME EXPRESSAR DE MANEIRA NORMAL.

E por motivos óbvios (Logan) esse post será inteiramente ilustrado com
✨ GIFS DO HUGH JACKMAN ✨

Bem, falta muito pouco. O lançamento do livro está previsto para Junho e os próximos três meses serão uma correria sem fim. Desde a minha última aparição por aqui muita coisa foi resolvida e hoje eu decidi colocar vocês a par de como anda o processo da publicação. VAMOS LÁ???!?!

giphy1

Leia mais

Diário de Escrita #11 – Revisão: a melhor parte!

Seria muita cara de pau minha aparecer nesse blog no dia 10 DE FEVEREIRO e desejar feliz ano novo? Por via das dúvidas: FELIZ ANO NOVO!

giphy5

2017 começou bem intenso! Estou desde de dezembro revisando o livro e agora estou quase no finalzinho desse processo. Meu prazo final para entregar o texto revisado, prontinho, finalizadíssimo era hoje. Mas vocês acham que eu consegui terminar de revisar hoje?

giphy2

Maaaas, a boa notícia é que na SEGUNDA-FEIRA (daqui a 3 dias) eu consigo entregar meu texto! E isso quer dizer que ESTÁ MUITO PERTO! Escrever esse livro tem sido uma jornada incrível que começou mais ou menos a um ano atrás. E passar um ano inteiro vivendo na cabeça de Felipe (que, aliás, é o nome do meu protagonista conforme eu anunciei no Twitter, no Youtube e em qualquer outro lugar menos aqui no diário de escrita, rs) tem sido uma experiência muito legal mas eu mal vejo a hora de mandar Felipe pro mundo!

Leia mais

Diário de Escrita #10 – TERMINEI O LIVRO! ou A importância de um editor

Olá amigos, trago boas notícias.
Sem fazer muito suspense, o negócio é o seguinte: TERMINEI DE ESCREVER O LIVRO!!!!

giphy1

Depois de uma longa jornada de quase um ano escrevendo, ontem eu coloquei o último ponto final da história. Escrevi o último parágrafo. Coloquei no papel a última frase (que eu já sabia qual seria desde o começo disso tudo).

Foi um momento importante para mim mas fui pego de surpresa quando não me vi pulando de felicidade. Não rolou aquele momento de enfiar a cara no travesseiro e chorar de alegria. Diferente de tudo que eu imaginei, esse não foi o momento mais incrível de todos os tempos.

Pra falar a verdade, a primeira coisa que eu pensei ao terminar de escrever foi “Puta merda, tem muita coisa pra melhorar agora.”

giphy2

O texto que terminei ontem foi a primeira versão da história. A versão que eu escrevi na empolgação, muitas vezes no desespero. Movido pelos prazos da editora e por umas canecas de café com tanto açúcar que a borda ficava melada.

E, como já era de se esperar, esse texto não está 100% bom. Claro que não está um lixo, né? Eu amo a minha história, amo meus personagens e, caso contrário, eu nem estaria me dando ao trabalho de escrever. Mas tenho muita coisa para ajustar, algumas cenas para cortar, outras para reescrever do zero. E o trabalho que isso vai me dar às vezes tira o meu sono.

Agora é a hora de falar sobre uma coisa muito importante para mim durante todo o processo: a presença de um editor.

Antes eu preciso deixar claro aqui que a minha situação como autor não é igual a de todo mundo. Muitos autores independentes não têm um editor logo de cara, para ajudá-los durante o processo de escrita. Eu estou numa situação de privilégio e tenho total consciência disso.

Meu privilégio se chama Sarah. Ela é uma das editoras da Globo Alta e também a responsável por me acompanhar desde o comecinho, lendo os capítulos que eu envio mensalmente e pontuando tudo que ela pensa do ponto de vista editorial e também do ponto de vista de leitora.

Ela se empolga junto comigo, mas também abaixa minha bolinha quando mecessário. E ter a presença da Sarah como editora durante todo o processo me ajuda a ficar mais tranquilo agora que preciso escrever a versão REAL OFICIAL do livro. Ao longo dos últimos meses ela me ajudou pontuando várias coisas que eu posso fazer para melhorar.

“Vitor, essa frase tá bonitinha mas é clichê.”
“Vitor, essa cena tem uma carga dramática que na página seguinte não serve para absolutamente nada.”
“Vitor, pare de ser viciado em fazer os personagens CHORAREM EM TODOS OS DIÁLOGOS! AS PESSOAS NÃO CHORAM TANTO ASSIM NA VIDA REAL!!!!”

giphy3
eu lendo os e-mails da editora

Mas é claro que ela diz tudo isso de um jeito fofo, e sempre sugerindo maneiras para melhorar.

E esse tipo de crítica vem junto de um “você está no caminho certo e eu já estou empolgada para os próximos capítulos”. E essa é a melhor parte desse processo todo.

Saber que existe gente no mundo ansioso pra ler mais do que eu tenho para escrever.

Resumindo: A história está finalizada, mas a revisão vai me dar um trabalho dobrado. Eu ainda não tenho ideia de quando o livro já estar aí bontinho na estante de vocês, mas agora falta bem menos do que faltava quando eu comecei esse diário de escrita.

E no final disso tudo, espero conseguir encontrar uma história redondinha, bem escrita, com personagens reais que não choram tanto quanto eu.

Porque ninguém aguenta personagem chorão.

Diário de Escrita #9 – Gratidão

Atenção: O post de hoje será inteiramente ilustrado com gifs do Chris Pratt.

OI AMIGOS OLHA QUEM RESOLVEU APARECER????

giphy1

Quando eu comecei esse diário de escrita, eu jurei pra mim mesmo que ele seria atualizado toda semana mas é claro que isso não aconteceu porque eu sou 200% irresponsável.

Sei que ninguém gosta de ficar lendo justificativas (mudei de apartamento é a minha, no caso) então vamos direto ao que interessa: O LIVRO.

Estou na reta final. Faltam só dois capítulos. O final já está todo prontinho na minha cabeça, ele só precisa existir no papel e pronto! Claro que depois vem todo o processo de edição, revisão etc mas, ainda assim, falta pouco!

O tema do diário de escrita é: escrevi o capítulo mais legal e importante até agora.

giphy6

Essa cena estava martelando na minha cabeça desde que comecei a escrever e, quando finalmente chegou a hora, eu senti que não estava pronto. Enrolei, escrevi, apaguei, escrevi de novo, pensei, pensei e pensei. E ontem saiu.

Eu não tenho um ritual bonito de escrita. Não tenho a hora ideal, a música ideal, a mesa ideal. Pra ser sincero, 80% do meu livro eu escrevi deitado no sofá, usando uma camiseta nem suja nem limpa e tomando um copão de Coca-Cola. Mas dessa vez, tinha que ser diferente.

Acordei cedo no domingo, tomei banho pra clarear as ideias e tirar as remelas no olho. Desocupei a mesa de escrita e deixei apenas o que eu precisava: meu notebook, meu caderno com o planejamento da história e uma caneca de café fresquinho. Toquei a playlist que criei pro livro e comecei a escrever.

E foi incrível.

giphy2

Nos últimos meses eu repassei na minha cabeça os diálogos e situações desse capítulo umas 200 vezes. Na hora de escrever, aconteceu tudo de um jeito diferente. De um jeito mais honesto, mais criativo e que me deixou verdadeiramente empolgado.

Minha auto-estima nunca foi das melhores e eu sou viciado em me sabotar. Então, imaginem vocês, a sensação gostosa que foi terminar de escrever a cena mais desafiadora da minha história e perceber que eu adorei o resultado. Que eu tenho orgulho do que fiz. Que talvez o meu livro não seja essa bosta tão absurda como a voz que vive na minha cabeça me diz nos dias ruins.

Eu tenho os dois pés bem firmes no chão. Tento não me iludir. Sei que meu livro não vai ser a LUZ DA LITERATURA NACIONAL, ou então O MAIOR SUCESSO DE VENDAS DO ANO. Mas eu sei que, no fim do dia, vai ser uma história que eu tenho orgulho de ter contado.

giphy4

E esse fim de semana foi muito bom pra isso. Pra me mostrar que vale a pena continuar porque vai dar tudo certo.

Espero que o próximo capítulo desse diário de escrita seja para dizer AMIGOS, TERMINEI! Então, torçam por mim.

E acreditem nos seus sonhos, sei lá.

giphy3

Diário de Escrita #8 – Criando personagens (in)críveis

Oi amigos! Hoje saí para almoçar com a maravilhosíssima Duds e, além de comer um inacreditável BRIGADEIRO DE CHURROS, nós conversamos bastante sobre a vida. E, caso vocês não saibam, 80% da minha vida no momento gira em torno do Livro™. Comentei com ela sobre uma técnica que eu uso para desenvolver a personalidade dos meus personagens e na hora pensei que isso daria um bom post aqui pro blog.

DISCLAIMER: Esse post não tem o intuito de ensinar. Eu sou um escritor amador e inciante, não me vejo na posição de falar sobre técnica, dar conselhos ou trazer a verdade absoluta. Só quero falar um pouco sobre o meu processo de criação e as coisas que eu faço para que cada personagem tenha uma voz única. Digo isso porque, REALMENTE, não quero passar a impressão de que estou explicando como se escreve, ou qualquer coisa do tipo. Só estou aqui para dar diquinhas, ok?

giphy2

Então, vamos lá!

Muita gente cria fichas de personagem que, como vocês podem deduzir, são fichas que contém todas as informações sobre aquela pessoa imaginária que você está criando. Aparência, idade, signo, traços de personalidade, gostos pessoais, traumas do passado, e tudo que você achar relevante para a sua história. Já comentei aqui uma vez que eu nunca parei para fazer ficha dos meus personagens porque, para essa história em específico, não achei necessário.

Pego dois ônibus para ir para o trabalho. No primeiro eu penso no meu livro, no segundo eu leio livro dos outros. E de um tempo para cá, eu comecei a gastar o tempo do ônibus #1 enfiando meus personagens em situações imaginárias. Essa situação não precisa necessariamente estar no livro. Mas às vezes ela acaba entrando porque esse processo pode te dar ideias muito legais!

Você já tem o seu personagem lá prontinho. Já sabe o nome dele, a jornada que ele vai ter que enfrentar e tudo que ele vai aprender (ou não) durante a história. Mas você precisa conhecer ele de verdade. Como se fosse um amigo. Você tem que saber como ele reage aos acontecimentos para que ele seja crível, e para que todas as atitudes dele sejam coerentes. E, pelo menos para mim, foi muito mais fácil e divertido criar cenas aleatórias só pra pensar em como meus personagens reagiriam.

Acho que fica mais fácil entender se eu der um exemplo, né?

Category is: KARAOKÊ 🎤

giphy

  • Como seu personagem se comportaria em um karaokê?
  • Ele é o tipo de pessoa que já chega desesperado pra cantar?
  • Ou ele precisa de um drink ou cinco para ter coragem?
  • Quando ele se levanta para cantar, ele é do tipo que paga mico sozinho ou puxa um amigo junto?
  • Ele vai cantar “A Lenda” de Sandy & Júnior? (Se a resposta é sim, eu já amo seu personagem)
  • Ou quem sabe ele nem canta mas adora julgar os outros como se estivesse assistindo um episódio de American Idol?
  • Ou talvez ele nem estaria em um karaokê porque ele simplesmente odeia interagir????

A quantidade de situações que você pode imaginar e a quantidade de perguntas que você pode fazer dentro de cada situação é infinita! Dá pra pensar em como seu personagem reagiria à uma festa de criança, um velório, uma briga de rua, um casamento onde ele não conhece ninguém… Enfim! Cada cena em que você coloca o seu personagem e questiona o comportamento dele te dá uma visão mais clara de quem ele realmente é.

E a melhor parte é que, no fim das contas, algumas dessas situações podem acabar entrando na versão final da sua história.

No geral, o que eu quero dizer é: enxergue seu personagem como uma pessoa que existe de verdade. Tire ele do universo onde ele foi criado e leve ele para passear em outros mundos. Porque é muito mais prazeroso escrever sobre alguém que você realmente conhece.

giphy1

Até o próximo diário de escrita. Beijão!

Diário de Escrita #7 – Colocando tudo em ordem

Se você está acompanhando os posts do meu diário de escrita, talvez você se lembre que terminei meu último post cheio de sonhos e promessas. Disse que estava num momento importante da história, comentei sobre uma cena que estava prestes a acontecer e isso estava me matando de ansiedade.

Trago notícias: A cena não aconteceu.

tumblr_nin48eiliv1tnyky2o1_400

Na verdade, aconteceu. Mas não do jeito que eu esperava. É difícil explicar sem dar spoilers mas, basicamente, o que a minha mente queria para a história, meu coração se recusou a escrever (que cafona, rs).

Quanto mais eu escrevia, mais eu sentia que tinha que mudar tudo. E no fim das contas, acabei mudando mesmo. Claro que isso me deu um puta trabalho porque tive que perder uns dois ou três dias reestruturando a minha história e reescrevendo o outline. Não lembro se já falei disso aqui mas o outline é um resumão em tópicos (que pode ser separado em capítulos ou cenas, por exemplo) de tudo que vai acontecer na sua história. Ele deixa o processo de escrita mais fácil porque, se você não organizar as ideias, na hora de sentar e escrever não vai sair nada.

tumblr_o0eof2mnjn1ue0dpno1_250

Então, resumindo, eu tive que refazer o outline de seis capítulos por causa de UMA mudança. Mas estou confiando do fundo do meu coração que essa mudança aconteceu para deixar a história mais interessante, mais fácil de acreditar e mais envolvente pro leitor. É isso que eu espero.

Tirando o tempo que perdi para reescrever tudo isso, nas últimas semanas muita coisa aconteceu e a escrita acabou ficando de lado. Me sinto culpado às vezes porque boa parte dos problemas que afetam minha escrita são causados por ansiedade e drama, que são duas coisas que muitas pessoas conseguem controlar. MAS EU NÃO, SORRY. THIS IS REAL, THIS IS ME ¯\_(ツ)_/¯

O drama da semana foi meu Twitter sendo invadido. Hackearam minha conta, e eu acabei perdendo tudo. Sete anos de tuítes geniais. Pode parecer uma grande besteira mas isso me deixou bem abalado. Daí eu parava e refletia sobre como a nossa vida real está pautada na nossa vida online e isso me deixava ainda mais deprimido porque eu estava agindo como se tivesse perdido um braço, então eu decidi erguer a cabeça, recomeçar do zero e não me importar com isso (às vezes eu ainda me importo). Aliás, se você não me segue na minha conta nova no Twitter, só seguir lá 😉

A ansiedade da semana foi a mudança de apartamento. Isso vai acontecer em breve, o apartamento já foi encontrado, os documentos já foram entregues e agora estamos na insuportável fase da espera. Eu odeio esperar. Acho que ninguém gosta de esperar, na verdade. Mas eu odeio com muita vontade. Porque eu fico sonhando alto, imaginando cenários onde tudo da errado, caçando um monte de referências de decoração no Pinterest, pensando em detalhes pequenos como “será que a extensão da TV vai chegar até a tomada????” etc.

tumblr_mu0vpvpwzg1sqoi9ao1_500

Agora eu estou reorganizando minha vida para que as coisas voltem a girar em torno do livro novamente. Sigo escrevendo todos os dias (alguns dias muito, outros quase nada), e estou entrando na reta final da história. Agora é a hora de ir fechando aos poucos todos os pontos que estão abertos e prestar muita atenção aos detalhes da narrativa. Não vou dizer que falta pouco, mas sei que falta bem menos do que faltava quando eu comecei essa jornada.

(O que é bem óbvio de se dizer mas eu disse mesmo assim porque não tenho ideia de como terminar esse post aqui. Bjs a todos)

tumblr_nb7y4duxrq1sk1k77o1_400

PS: Acho que vou usar esse blog para escrever sobre mais coisas além do Diário de Escrita, sei lá.